Agradecimentos

Padrão

Gostaria de agradecer a todos que tem mandado emails pedindo mais informações sobre a pesquisa. Ainda tenho pouco a oferecer, mas juntos temos muito a construir.

 

 

A antecipação sexual

Padrão

A influência da moda no desenvolvimento infantil, foco de recentes matérias em revistas de grande circulação no Brasil, tem se dado de forma mais intensa nos últimos anos. A revista semanal Veja contou a história de uma garota de três anos que usa maquiagem, salto alto, tem celular, etc. A garota pode servir de referência para mostrar que alguns dos questionamentos e atitudes típicas de pré-adolescentes estão se antecipando na linha do tempo.

Empurrados para o mundo das paixões, paqueras e provocações sensuais, garotos e garotos, estão dando o primeiro beijo durante a quinta-série do Ensino Fundamental. “A primeira vez que eu beijei um garoto tinha 9 anos. Eu tava ficando com um menino da minha sala, na discoteca de aniversário da minha amiga”. A afirmação é de uma pernambucana de 11 anos, que estuda no Colégio Boa Viagem.

Alguns fatores são cruciais nesse processo, tais como a moda, as novelas destinadas ou não a jovens, as músicas e a publicidade, com o incentivo ao consumo precoce. Especialistas são unânimes quando ressaltam o perigo da exposição de crianças pequenas ao conteúdo não adequado para a idade. A psicóloga e psicanalista do Grupo de Trabalho e Pesquisa em Orientação Sexual (GTPOS), Maria Cristina Domingues Pinto , explica que no campo da sexualidade, por exemplo, é o que mais sofre influências negativas da mídia.

As conseqüências dessa erotização precoce é que são alarmantes. Em maio de 1996, por exemplo, O Supremo Tribunal Federal (STF) concedeu ordem de habeas corpus para um homem condenado por crime de estupro, por violência presumida, contra uma garota com idade inferior a 14 anos. Ainda que um adolescente concorde com o ato sexual, a consumação do mesmo é enquadrada como estupro pela legislação brasileira. Segundo o relatório do caso, entretanto, foi alegado que, sendo irrestrito o acesso à mídia, não se mostra incomum reparar-se a precocidade com que as crianças de hoje lidam, sem embaraços quaisquer com assuntos concernentes à sexualidade, tudo de urna forma espontânea, quase natural.

A influência da mídia

Padrão

Roupas decotadas, saias curtas, cabelo escovados e assessórios da moda. O look descrito, típico de mulheres adultas, é o que veste um manequim de uma loja de roupas infantis. Ele reflete o comportamento atual das meninas pré-adolescentes, oriundas de famílias de classe média de centros urbanos.

A pernambucana Melissa Lins Caldas tem 15 anos e, desde pequena, sonhava em ser modelo. Antes dos 10 já havia participado do concurso de moda Miss Mirim e, na quinta série, desfilou no Top Model Nordeste. “Todo mundo falava que eu era magrinha, bonita e que devia ser modelo. Isso acabou se tornando meu sonho” , conta a garota em entrevista pessoal. Além desse exemplo, a revista Veja, já trazia, em sua edição de novembro de 2000, apresentou uma matéria explorando esse universo.

O aniversário de 9 anos da paulistana Mirella Camanho foi comemorado em um salão de beleza, onde ela e outras nove amiguinhas se divertiram com o arsenal a sua disposição: pintaram as unhas, fizeram escova no cabelo e foram maquiadas. A festa da curitibana Camila dos Santos, da mesma idade, foi mais convencional. Teve salão de festa transformado em boate, com direito a luz estroboscópica, DJ e, no lugar de bolo e brigadeiro, jantar à base de estrogonofe. Muito gente grande, sem dúvida, mas o tipo de balada evitado ultimamente pela carioca Dora Ghelman, 8 anos. Preocupada com o que considera alguns quilos a mais, ela tirou o arroz do cardápio, evita doces e guloseimas e se pesa todo dia na balança de casa. Mirella, Camila e Dora são o retrato das meninas de 7 a 12 anos, um clube de princesinhas precoces, exigentes e decididas, que, cada vez mais, trocam a brincadeira de casinha e boneca por horas na frente do espelho, modelitos produzidos ou altos papos.
(VEIGA, 2000, p. 42-45.)

E o mercado já captou essa precocidade, disponibilizando vários produtos direcionados para as pequenas. Entretanto, como toda indústria, a moda está atenta para os lucros, não mede conseqüências. As garotas, incentivadas pela mídia, aprendem a passar batom com pouca idade, usam roupas sensuais e dançam músicas com apelos sexuais. Os programas infantis também fomentam a troca das bonecas e brincadeiras pelas horas na frente do espelho, modelitos produzidos e altos papos.

O problema é que todos esses elementos incentivam a erotização da infância, o que, segundo a psicóloga e psicanalista do Grupo de Trabalho e Pesquisa em Orientação Sexual (GTPOS), Maria Cristina Domingues Pinto, é bastante nocivo . Ela diz que é prejudicial, pois a criança precisa viver seu desenvolvimento sexual de forma natural, sem ninguém incentivando. A intervenção de adultos acontece no sentido da orientação, mas as atitudes são tomadas e as explicações feitas na medida em que a demanda natural sugerir. Infelizmente isso não é o que acontece, vemos pelas ruas, meninas que parecem mini-adultos.

O que impressiona é quando uma garota se veste como menininha, de acordo com a sua idade. “Iyakekerê” conta sua história a história de que, saindo da igreja, foi abordada por um grupo de senhoras comovidas com as vestimentas de sua neta . “Todas as senhoras estavam admirandas com a forma descente e elegante que ela estava vestida. Acho que a sexualidade infantil virou produto de importação e exportação, um simples produto que faz vender” (IYAKEKERÊ. 2006. on-line).

Além de se vestirem como adultas, essas meninas têm preocupações de gente grande, querendo ser e, muitas vezes, sendo cobradas a agir como adultas antes da hora. A recifense Maria Luisa de Andrade, por exemplo, tem 8 anos e a agenda lotada. Todos os dias depois do colégio ela freqüenta aulas de piano, pintura e ginástica rítmica. Sua mãe, a psicóloga Ana Valéria, conta que é importante a criança participar de atividades que desenvolvam o intelecto, mas salienta a importância da brincadeira na vida dos pequenos . “Tirei Luisa do conservatório, onde tinha aulas de piano, por causa da pressão que sofria quando ia fazer provas ou apresentar-se. Crianças não podem ser cobradas como adultos”, salienta a psicóloga.

Renata Guaraná, que estuda psicologia na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), desde os 15 anos queria colocar silicone. Apesar de todas as despesas da cirurgia terem sido pagas pelo pai, o sonho da plástica apenas se concretizou três anos depois, quando atingiu a maioridade. Segundo ela, além da pressão social que dita: ‘seja isso, se encaixe’, existe aquilo que a criança internaliza . “O problema é que a criança não consegue diferenciar o que é exterior e sua necessidade. Então a vaidade vai exigir e a criança vai tomar para si como se fosse de sua autoria”, analisa a estudante.

Nesse sentido a mídia é um dos fatores que mais influenciam as crianças, incentivando a erotização. Especialmente através da televisão, criam-se condições de incentivo a produção de crianças com comportamento erotizado. São programas infantis, novelas para adolescentes, programas exibidos em horários inadequados e outros fatores que aceleram esse processo. Por vezes, esta produção é sutil, revelando-se, por exemplo, no modo de vestir adulto; na forma de posar e fotografar; em outras, a assunção e imitação de comportamentos erotizados adultos é explícita, chegando a ser, até mesmo, grotesca.

A música merece atenção especial. Grupos como É o Tchan e outras bandas do gênero incentivam a precocidade sexual. O fenômeno desse grupo de pagode fez com que várias meninas se vestissem como as dançarinas da banda – roupas curtíssimas – para imitar as coreografias. Proliferou-se de tal forma a dança da “boca da garrafa” e do “segura o tchan” que tornou-se normal ver meninas com menos de 10 anos rebolando sensualmente. A cena se repetia na televisão, inclusive em programas infantis, escolas e, até mesmo, dentro do seio familiar.

Essa cena musical mudou um pouco. Hoje percebe mais a invasão sexual do universo infantil, proposta pelas novas bandas de brega. As bandas cantam letras que, através de uma resignificação, dão conotações sexuais a objetos infantis, como pirulito, pinto e etc. É problemático porque as crianças, ainda que não entendam, notam a diferença do pintinho que criam na varanda de casa, para o “pinto do meu pai” que “fugiu com a galinha da vizinha”, como canta o grupo Raça Negra, na música “O pinto”.

É importante ainda atentar para as conseqüências de tal precocidade. A erotização das crianças atua, de certa forma, também no adulto. Ele passa a ter sua libido estimulada pelo freqüente bombardeio de imagens erotizadas de adolescentes e pré-adolescentes cada vez mais jovens. Isso gera, nos adultos, fantasias sexuais que criam uma demanda, ou seja, um mercado para este produto.

Em uma edição nacional, a revista Playboy, já há algum tempo, como marketing de venda, anunciou ao Brasil inteiro um ensaio fotográfico de uma modelo da seguinte forma: “18 aninhos, mas um corpinho de 13” . Em outras palavras, a mercadoria vendida era a circunstância da garota aparentar treze anos de idade. Em última análise, a revista lançava a o produto com um apelo publicitário voltado para a imagem erótica de um corpo adolescente, evidenciando, assim, a existência de um mercado para este tipo de estímulo sexual e fantasia.

Para isso a psicóloga e psicanalista do Grupo de Trabalho e Pesquisa em Orientação Sexual (GTPOS), Maria Cristina Domingues Pinto, já havia alertado. “Alguns adultos têm a tendência de projetar nas crianças a sua sexualidade adulta genital, que nada tem a ver com a das crianças. Sem que as crianças ou os pais saibam, podem estar provocando ‘adultos’ não muito estruturados, o que pode resultar, no limite, em abuso sexual” , preocupa-se a especialista.

Até o que era natural, sob o aspecto biológico, têm mudado. A matéria entitulada “Princesas Precoces”, publicada na Revista Veja, da editora Abril, em novembro de 2000 revelou um levantamento que comprova o fato . Segundo a revista, pesquisas feitas no Brasil, Estados Unidos e Europa comprovam que a idade média da primeira menstruação, que no começo do século XX variava entre 14 e 15 anos, hoje acontece entre os 10 e 11 anos de idade.

O ginecologista Jonathas Soares acredita que esta geração de meninas recebe tantos estímulos sexuais que o cérebro acaba produzindo hormônios mais cedo. Revelados esses dados é salutar uma pesquisa mais aprofundada sobre o tema. Isabel Pedroza, professora da disciplina de Desenvolvimento Infantil na Universidade Federal de Pernambuco, é testemunha da necessidade. “Sou professora e pesquisadora na área do Desenvolvimento Infantil, mas nunca li nada sobre a influência da moda no comportamento da criança”, ressalta.

A infância contempoânea

Padrão

Criança pequena com agenda lotada. A televisão que se transforma em babá. Os pais ausentes. Carinho transformado em objeto. O tamagoshi e a afetividade objetificada. Segundo Solange Jobim e Souza , estes são apenas alguns dos fragmentos que compõem o contexto da infância contemporânea, Além desses, pode-se citar a cultura do consumo que, através da publicidade, descobriu a criança sozinha em casa, mandando nos pais.

Para entender, entretanto, o lugar social que a criança ocupa na sociedade não se pode analisar tais fragmentos de forma isolada. Isso porque cada época irá proferir um discurso que revela seus ideais e expectativas em relação às crianças, tendo esses discursos conseqüências constitutivas sobre um sujeito que está em formação. A intenção, então, é revelar as transformações e orientações dos modos de “ser” da infância ao longo dos tempos, para, a partir do conceito histórico, analisar, através dos instrumentos teóricos e estatísticos, a experiência da criança em seus contatos iniciais ou não com sua sexualidade no mundo contemporâneo que a influencia.

Ser criança é uma invenção?

Padrão

A primeira questão que se destaca diz respeito ao “não lugar” que, durante anos, a criança ocupou. Na Idade Média, conforme aponta Philippe Ariès (1978) não havia uma separação clara entre o que seria adequado para crianças e o que seria específico da vivência dos adultos. Ele chegou a essa conclusão através do estudo da iconografia da era medieval até a modernidade, com a qual observou as representações da infância na Europa Ocidental, especialmente na França.

A pesquisa de Ariès mostra que as crianças recebiam tratamento diferenciado apenas nos primeiros anos de vida, enquanto ainda dependiam diretamente dos cuidados das mães ou das amas. Desta forma, essas crianças passavam de um desmame tardio para o mundo dos adultos, onde a transmissão do conhecimento acontecia por intermédio do convívio com os mais velhos e com outras crianças, não sendo restrito aos familiares. Os pequenos aprendiam os ofícios observando, auxiliando, ou servindo, como aprendizes, em casas de outras famílias.

O pesquisador fala, ainda, que a sociedade européia medieval, até por volta do século XII, não retratava as crianças em seus quadros e, quando o faziam, elas estavam representadas com trajes semelhantes aos dos adultos da classe social a que pertenciam. Essa falta de atenção em relação à infância pode se explicar pela baixa expectativa de vida que as crianças tinham na Idade Média, fazendo com que os mais velhos não se permitissem grandes apegos.

Uma oportunidade para conhecer esse lado da História foi a exposição Nins – Retratos de Crianças dos Séculos XVI ao XIX. O Museu de Arte Brasileira da Fundação Armando Álvares Penteado (Faap) abrigou, entre os meses de outubro e dezembro de 2000 , quarenta quadros reunidos por Yannick Vu e Ben Jakober, um casal de artistas naturalizados ingleses que vivem e mantém uma fundação com seu nome na ilha de Palma de Maiorca, na Espanha.

Nas telas estavam retratadas crianças de idades variadas, a maioria de famílias nobres, outras sem identificação nem do modelo nem do artista. Em comum, as crianças tinham a riqueza das roupas e dos acessórios, e a expressão de gente grande no rosto e na pose. Num dos quadros, o pequeno Luís, herdeiro da Coroa espanhola, retratado ainda como príncipe das Astúrias em tela de 1710, aos 3 anos só tem de criança a touca de renda toda enfeitada e as bochechas rosadas. No mais, da faixa ao manto, com cetro e coroa fulgurando atrás, é o perfeito monarca. Na mesma linha, o arquiduque Carlos da Áustria, aos 5 anos, vestindo armadura, é a miniatura de seu pai na guerra no retrato de 1690.

Outro pintor que pintou quadros de crianças foi o espanhol Diego Velásquez, retratista oficial da corte espanhola em 1623. Segundo conta Ariès, o espanhol pintava imagens de meninos e meninas pequenos, como seus netos ou a Princesa Infanta Margarida, filha do Rei Felipe, de forma a representá-las não como crianças, mas como anões, envergando trajes adultos que primavam pelo desconforto em nome da imponência. As vestimentas provavelmente impediam os garotos e garotas de se movimentarem livremente como os vemos fazer nos dias de hoje.

Ariès diz ainda que, as crianças eram tratadas como adultos em tamanho menor e não havia acomodação ou vestimenta especial para elas. Esta não separação remete a outra característica deste período: a inexistência do conceito de privacidade. Assuntos e brincadeiras sexuais envolviam crianças e adultos. Não havia segredos. As crianças efetivamente participavam da vida como se fossem adultos, não havendo assim uma definição entre o significado de ser criança e ser adulto . Ariès assim descreve essa falta de consciência da Idade Média sobre a particularidade infantil:

Na socie dade medieval o sentimento de infância, não existia – o que não quer dizer que as crianças fossem negligenciadas, abandonadas ou desprezadas. O sentimento da infância não significa o mesmo que afeição pelas crianças: corresponde a consciência da particularidade infantil, essa particularidade que distingue essencialmente a criança do adulto, mesmo jovem. Essa consciência não existia (ARIÈS, 1973 p. 156)

A infância, então, é um conceito que começará a se desenvolver, segundo Zygmunt Bauman (1998) a partir dos séculos XVI e XVIII, através da Revolução Educacional. Ela agiu de três formas diferentes na sociedade propiciando uma mudança na forma como se enxergava a infância antigamente. Primeiramente, incentivou a separação de uma parte do processo da vida como um estágio imaturo, ainda por se desenvolver; o segundo, a separação física destes que se encontravam na fase imatura para que, submetidos aos cuidados de especialistas, se desenvolvessem; e o terceiro, conferir à família a responsabilidade de supervisionar esta fase educacional.

Esta Revolução Educacional teve como principais pré-condições, a invenção da prensa de Gutemberg e o movimento de cristianização que estava ocorrendo na sociedade A Igreja, por se interessar em que as crianças aprendessem formalmente os preceitos religiosos, torna-se grande defensora da escolarização. Já o desenvolvimento da imprensa favorece a escolarização por criar um diferencial entre adultos e crianças, ou melhor, entre os que têm acesso à escrita e os iletrados, exigindo um conhecimento específico para que se pudesse utilizar a nova invenção. Era preciso tornar os futuros adultos aptos a trabalhar com as letras e a tipografia. Desta forma, a escolarização compulsória das crianças no século XVIII tornou-se uma forma de ensinar, moralizar e disciplinar.

As crianças passam a estar, então, separadas dos adultos. Ao invés dos ensinamentos de hábitos e profissões pelo convívio, as crianças são enviadas para as escolas. Esta separação possibilitou a existência de “segredos”, isto é, assuntos conhecidos apenas pelos mais velhos. Em outras palavras, a concepção de infância moderna, que se estende até os nossos dias, seria a seguinte: uma fase da vida em que os indivíduos precisariam de cuidados especiais e deveriam estar resguardados de algumas informações que pudessem lhes ser nocivas, para que se desenvolvessem e se constituíssem, no futuro, como indivíduos plenos – adultos.

Na contemporaneidade, entretanto, está acontecendo um processo retrógrado: ao invés de mais resguardadas, as crianças estão emancipando-se. Dois fatores cruciais para que esse processo aconteça são a ausência dos pais e a onipresença dos meios de comunicação. Se antes, na Idade Média, eles serviram para fomentar o desenvolvimento da concepção moderna de infância, hoje a mídia promove a desinfantilização de crianças, provocando, entre outras conseqüências, a erotização precoce.

A televisão, mais que um eletrodoméstico, transformou-se num fato social. É através desse eletrodoméstico que a infância recebe seus ensinamentos e informações sobre o mundo, o que antes, na década de 50, acontecia apenas por seus familiares e pela escola. Mas a TV se adianta: ela inicia o processo de socialização antes que a escola tenha a oportunidade de fazê-lo. No Brasil, a influência da mídia torna-se ainda mais poderosa em virtude de um sistema educacional precário que possibilita, em muitas ocasiões, que a televisão tenha o poder “soberano” de informar, educar e distrair, sem um público capaz de criticá-la.

Nelson Werneck Sodré (1999) conta que a televisão surge na década de 50 abalando o prestígio, até então sem rivais, do rádio. A primeira emissora de televisão da América Latina, a TV Tupi, foi inaugurada no dia 18 de setembro de 1950 em São Paulo. Em 20 de Janeiro de 1951 entrava no ar, pela primeira vez, a TV Tupi do Rio de Janeiro. Inicialmente a programação de TV era composta por peças de teatro e pelas primeiras novelas. O primeiro programa infantil da TV Tupi, Clube do Papai Noel, foi ao ar em 1951. O programa Capitão Asa, que foi um dos maiores sucessos desta emissora para o público infantil, foi lançado em 1968.

Muniz Sodré (1999) vai complementar isso, dizendo que, no Brasil, nas décadas de 50, 60 e 70, a televisão ficava na sala e a família assistia reunida, contando ainda com a companhia de alguns vizinhos não possuidores do novo eletrodoméstico. Esta é a época da televisão de massa, cuja programação era dedicada a toda a família. Programas “familiares” como “I Love Lucy” e “Papai Sabe Tudo” foram grandes sucessos. A família inteira era a audiência almejada pelos anunciantes e pelos programadores. Desta forma, tanto os programas como, consequentemente, os anúncios, têm como foco a família e não o indivíduo. A essa fase da televisão, Muniz Sodré chama televisão massiva.

No final da década de 50 a programação da televisão no Brasil começava ao meio dia, iniciando-se o último programa entre 23:30 e 24:001. Os programas para crianças em geral começavam às 18:00, terminando às 20:00. Tratava-se de programas com os sugestivos títulos “Clube do Papai Noel”, “TV de Brinquedo”, “Circo Bom Bril”, “Aventuras do Capitão Estrela” e “Encontro com a Priminha”. Em geral, assim como hoje, esses programas consistiam em um apresentador que iniciava o programa, desenhos animados importados e brincadeiras.

Ainda nessa mesma época, a TV Tupi cria o personagem Indiozinho Tupi, em resposta a cartas de pais reclamando da dificuldade de colocar os filhos na cama a partir da chegada da TV. O indiozinho aparecia, retirava seu cocar em formato de antena de TV, pendurava na parede e… “Já é hora de dormir não espere a mamãe mandar. Um bom sonho para você e um alegre despertar”. Percebe-se através deste slogan a TV assumindo seu papel de autoridade dentro da família.

Nas últimas décadas do século XX e início do século XXI a televisão inicia um processo de saída da sala e presta-se cada vez mais a ser utilizada como objeto de uso individual. EUA 2001, 56% das crianças americanas do Jardim da infância ao ensino médio tem televisões em seus quartos e dois em cada três estudantes do ensino médio tem seu próprio aparelho de televisão, estes dados estão em crescimento constante. (Walsh, 2001 p. F6-F7)

Esta nova transformação da televisão, deixando de ser um modo de lazer da família para ir transformando-se em modo de lazer individual, não poderia deixar de trazer modificações para as relações familiares. As crianças não precisam compartilhar programas com os pais, não existe mais o fim dos horários de programas infantis para que se inicie a programação adulta. Existem concomitantemente programas para adultos e crianças, para serem assistidos em separado e cada um não incomodar o outra com suas opções. Cada um faz o que bem lhe aprouver no seu quarto.

Apesar das limitações econômicas o Brasil chega à época da televisão individualista, com a televisão aberta, a cabo e por satélite. A programação adquire um caráter especializado, para cada tipo de audiência um tipo de programação. É nesta época que surgem os canais específicos para transmitir programação infantil. Antes limitada a alguns horários com “slogans” que mostravam a hora da criança ir para a cama, a programação infantil passa a estar no ar ininterruptamente 24 horas por dia, em todos os dias da semana.

O primeiro canal específico para crianças, segundo dados da Unesco (Outlooks on Childre and Media compelied for the 3rd World Summit on Media for Children, Março, 2001), foi o Nickelodeon. Lançado nos EUA em 1979, ele é, atualmente, transmitido para 90 milhões de domicílios em mais de 70 países. Em seqüência a este canal, são lançados outros com a mesma audiência alvo. São eles: Disney Channel, Cartoon Network, Fox Kids e Discovery Kids, dentre outros.

Pode se observar, então, uma dicotomia existente na programação da televisão atual: ao mesmo tempo em que esta se apresenta cada vez mais individualizada, é também universal, globalizada. O mesmo desenho que é produzido para agradar a criança norte-americana deve agradar às crianças sul-americanas, européias e asiáticas, apesar das óbvias diferenças culturais, sociais e econômicas destes públicos. Esta é uma das características marcantes da programação contemporânea: a busca de se obter um produto que seja adequado para qualquer lugar, qualquer cultura. E, porque não, qualquer público.

Hoje, no Brasil, segundo Boruchovich (2003) os principais programas infantis, em termos de número de telespectadores, são aqueles transmitidos nos horários matinais pela Rede Globo, devido à abrangência deste canal. O SBT é, em geral, segundo colocado em audiência, mas, em alguns programas, compete acirradamente com a primeira colocada, conseguindo algumas vitórias pontuais.

Dentre os canais das televisões por assinatura, as maiores audiências em março de 2002 no Brasil estão Cartoon Network (o primeiro canal infantil a ser transmitido no país), seguido pelo Fox Kids e Nickelodeon, estes dois alternando suas posições entre 2o e 3o lugar. Estes canais transmitem durante as 24 horas do dia programação infantil, em geral desenhos animados produzidos em outros países.

Se antes as crianças tinham o indiozinho Tupi, hoje os slogans dos canais infantis são variações em torno das expressões: “Não saia daí, que a gente volta já!” “Fique ligado”, a qualquer hora do dia ou da noite. É o fim da hora de dormir.

A pior influencia vinda da TV, entretanto, não tem origem em programas infantis. De alguns anos para cá, a programação televisiva, pelo menos no Brasil, tem exibido com maior freqüência os tais “segredos adultos”, em horários que teoricamente obedecem a uma censura imposta pelo Ministério da Justiça. Apenas teoricamente. Na prática, o sexo aparece na TV a qualquer hora do dia – ainda que implícito e sutil: nas dançarinas de biquíni que rebolam no cenário dos programas de auditório.

Na TV, a criança assiste ao Festival de Desenhos da Rede Globo. Na rua, depara-se com a foto da apresentadora, Deborah Secco, nua e numa pose sexy, no outdoor que anuncia a revista Playboy, para a qual também já posaram Carla Perez e Xuxa. Assim que os universos simbólicos de adultos e crianças estão expostos, na televisão e em outras mídias, para ambos. E o controle do que é visto pelas crianças, que tradicionalmente caberia aos pais, é extremamente frágil. Acabam-se, assim, os “segredos”.

Além disso, é grande o número de crianças que assistem a programas em horários não recomendáveis para sua faixa etária. As conseqüências desta situação se evidenciam na própria mídia. No programa do Gugu, crianças imitam o grupo É o tchan, em coreografias insinuantes e dublagens de letras de música do tipo: “Tá de olho no biquinho do peitinho dela…”. (Valladares, 1997) Na vida, meninas escolhem para fantasias de carnaval o figurino sensual de Carla Perez, Tiazinha, ou outros símbolos sexuais televisivos.

É quando se evidencia que essa exposição também acontece através da música. A coordenadora de um dos programas da organização governamental Auçuba – Comunicação e Educação, Rosa Sampaio , lembra que canções de vários estilos musicais se utilizam do universo infantil para criar letras eróticas e sensuais. É o exemplo das bandas de brega, que transformam objetivos essencialmente infantis, como o pirulito ou o pintinho, em elementos sexualizados. Essas músicas causam efeitos danosos para as crianças, que sentem a diferença entre o brinquedo inocente e a o apelo sexual da música.

A propaganda é outro elemento que não pode ser deixado de fora. As emissoras televisivas passaram a veicular propagandas de produtos “para adultos” nos intervalos de programas infantis. Propagandas de cerveja com mulheres sensuais e seminuas. Chamadas de novelas, num trailler de cenas picantes. Por outro lado, tem proliferado também, em diferentes horários, a quantidade de propagandas que falam diretamente à criança. Isso se explica por um fenômeno recente de incorporação da criança à sociedade de consumo: de filha do cliente, ela ascendeu ao status de cliente. (Veiga, 2001) E já pode desejar e consumir produtos como a sandalinha da Carla Perez, ou as roupas da grife lançada por ela, CP Girls, nos moldes da grife de Xuxa, Bicho Comeu.

Essa indústria da moda movimenta R$ 10 bilhões ao ano, o correspondente a um terço de toda a roupa consumida no país. Segundo a diretora do Teen Fashion, semana jovem de moda, Sara Kalili, cerca de 60% da moda nacional é dirigida ao público feminino. Desse total, outros 60% são consumidos por garotas entre 10 e 18 anos. Foi esse mercado que a empresária Christiane Rocco, da grife Spezzato Teen, pretendia atingir quando começou a investir em moda. “Os cuidados com as roupas e o visual fazem parte da auto-afirmação do adolescente. Eles não querem roupas de crianças e são novos demais para se vestir como adultos. Precisam da sua própria moda”, diz a empresária .

A indústria de cosméticos também lucra com a vaidade precoce das meninas brasileiras. Segundo matéria publicada na revista Istoé em março de 2006, as vendas de cremes e loções para crianças e adolescentes tiveram um crescimento de 204,6% em seis anos. Segundo levantamento feito entre janeiro e dezembro de 2005 pelo Instituto Ipsos Brasil, 69% das crianças de 10 a 12 anos afirmaram usar batom com freqüência. Entre as mulheres acima de 13 anos, esse número não passou dos 68%. A instituição ouviu 19,7 mil mulheres.

Essas, porém, não são as manifestações mais preocupantes da erotização infantil. Até aqui, contatou-se que estas crianças contrariam o ideal de infância concebido a partir da modernidade. Mais preocupante é saber que, atualmente, no Brasil, já é significativo o número de meninas que, mal ficam menstruadas, iniciam-se na vida sexual propriamente dita. No Censo de 2000, o IBGE inclui, pela primeira vez, a faixa etária de 10 a 14 anos nas suas estatísticas de maternidade. Assim, torna-se claro que muitas crianças estão exercendo hoje uma sexualidade que, há um século, foi descrita por Freud como adulta.

O que se quer saber?

Padrão

Geral

Pautado na perspectiva sociológica e psicanalítica, este estudo tem por objetivo investigar a relação existente entre a moda e o desenvolvimento sexual infantil, procurando entender as conseqüências que a influencia da primeira podem causar no segundo, para, através da análise desses resultados e referenciais epistemológicos, elaborar uma crítica sociocultural.

 Específicos

  • Relacionar onde e como a moda influi no desenvolvimento e comportamento sexual de meninos e meninas;
  • Investigar os outros fatores que atuam fomentando essa influência da moda;
  • Investigar a dinâmica sexual de crianças e adolescente recifenses;
  • Colocar em xeque a atuação dos pais e a educação oferecida na sociedade pós-moderna;
  • Questionar a validade dos modelos epistemológicos de desenvolvimento sexuais.

Método

Padrão

O levantamento e estudo de campo proposto aqui, pretende trabalhar de forma articulada e interdisciplinar, com base nas pesquisas descritivas elaboradas até o momento sobre o assunto. É, além de um levantamento de dados sociais, uma pesquisa antropológica e psicológica, visto que envolve a análise de cultura e de comportamento.

O universo da pesquisa é o conjunto de fenômenos que influenciam a sexualidade infantil. Destaca-se como principal fator a moda, visto que a análise da sua influência será especificamente o objeto deste estudo, mas também salienta-se a influência das outras mídias, como a TV, a publicidade, os jogos eletrônicos e a música, entre outros.

Prevê-se que essa influência se dá de maneira mais determinante entre os oito ou nove anos de idade. Aliado a isso a necessidade de auto-afirmação e inserção nos grupos, faz com que adolescentes mais velhos também demonstrem uma apropriação elevada do que é ditado pela moda.